Atualizado em :01/06/2012
Para Rollemberg, Rio+20 deve prever metas para sustentabilidade
O parlamentar se disse preocupado com uma possível tentativa de substituir o conceito de desenvolvimento sustentável pelo conceito de economia verde, o que representaria uma maior valorização do pressuposto econômico
 
Foto: Agência SenadoO documento que será assinado por chefes de Estado e de governo ao final da Rio+20 deve conter metas claras para a promoção do desenvolvimento sustentável, afirmou o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), em discurso nesta sexta-feira (1º).Ele lembrou que muitos dos compromissos assumidos na conferência das Nações Unidas realizada vinte anos atrás no Rio de Janeiro ainda não foram cumpridos, sendo necessário, portanto, que os governantes agora assumam metas para a implementação dos acordos.

Como exemplo, Rollemberg citou a redução em pelo menos 10% no consumo de água pela agricultura. Também defendeu que os países tenham como meta dobrar a matriz energética renovável.Para o parlamentar, a conferência deve ainda resultar em novos modelos de aferição de desenvolvimento, que incluam aspectos sociais e ambientais.

"Não dá mais para medir o desenvolvimento dos países apenas pelo Produto Interno Bruto, que só mede o resultado econômico e mede mal, de forma distorcida. Aqueles países que estão fazendo a guerra, vendendo armamentos, estão ampliando o seu Produto Interno Bruto e isso não podes ser uma medida de desenvolvimento", disse.

O parlamentar se disse preocupado com uma possível tentativa de substituir o conceito de desenvolvimento sustentável pelo conceito de economia verde, o que representaria uma maior valorização do pressuposto econômico, em detrimento dos pressupostos sociais e ambientais.

"Há uma preocupação também de minha parte de que embutidos no conceito de economia verde possam estar modelos tecnológicos e econômicos que países desenvolvidos gostariam de impor aos países em desenvolvimento ou ainda barreiras não tarifárias que criariam dificuldades ao comércio mundial", afirmou, ao defender que o documento final da conferência contenha um conceito objetivo de economia verde.

O senador defendeu ainda que a Rio+20 seja uma oportunidade para que o Brasil construa uma agenda convergente, que contemple entendimentos sobre o uso dos recursos hídricos, o modelo de produção de alimentos e a estratégia de geração de energia, entre outros.

Leia a íntegra do discurso. Clique aqui
Fonte: Agência Senado