Atualizado em :11/05/2012
Rollemberg defende negociação política para o Código Florestal
Em discurso, senador também elogiou a presidente Dilma Rousseff pela forma como tem buscado reduzir os altos juros praticados no país e pela designação dos integrantes da Comissão da Verdade
 
Foto: Sheyla LealDepois de criticar as mudanças feitas pela Câmara dos Deputados no projeto de reformulação do Código Florestal, o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) defendeu uma solução política para o impasse diante do iminente veto da presidente Dilma Rousseff ao texto. Em discurso no Plenário na manhã desta sexta-feira (11), o senador se disse surpreso com as alterações feitas pelos deputados no projeto que havia sido aprovado pelo Senado após muitas negociações.

"Depois de duros debates em que ouvimos por várias vezes cientistas, sociedade civil, autoridades e produtores rurais, conseguimos produzir algo equilibrado e realista. A Câmara participou das negociações e esperávamos que a proposição fosse aprovada como saiu do Senado. Mas, de forma açodada e equivocada, graves mudanças foram aprovadas, e o conteúdo atual não garante mais segurança jurídica.  Tenho convicção de que os parlamentares que aprovaram as mudanças têm consciência que cometeram um equívoco",  afirmou.

Rollemberg defendeu uma saída para o impasse a partir do texto produzido no Senado, que, segundo ele, contava com o apoio do governo.
"Temos a agricultura mais sustentável do planeta. O Brasil é um país de abundante biodiversidade; tínhamos a obrigação de conciliar produção com proteção ambiental. Os maiores interessados na solução do problema são os produtores rurais. Eles sabem que precisam produzir com sustentabilidade. Apesar de tudo, estou otimista e creio em uma solução política", declarou.

Juros - O senador também elogiou a presidente Dilma Rousseff pela forma como tem buscado reduzir os altos juros praticados no país e pela designação dos integrantes da Comissão da Verdade. "Ela está fazendo algo que todos defenderam sempre. Nossos juros são imorais e impedem o crescimento do setor produtivo. Devemos nos unir não apenas para aplaudir, mas para garantir o apoio à presidente", disse.

Fonte: Agência Senado