Atualizado em :09/04/2012
Audiência pública debate educação do DF e Entorno
Rollemberg apresentou alguns dados relacionados ao Distrito Federal, que tem quase 40 mil crianças e jovens fora da escola, além de uma média de desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) baixa e de um altíssimo índice de agressão a professores
 
Por Sandra Turcato

Foto: Agência SenadoO tema do segundo encontro do ciclo de debates sobre o desenvolvimento do DF e do Entorno abordou a educação básica, técnica e superior na região. O ciclo de encontros foi proposto pelo senador Rodrigo Rollemberg (PSB/DF) e é realizado pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR). "São discussões para pensarmos o Entorno, pois só vamos construir soluções duradouras analisando o DF e o Entorno conjuntamente”, acredita o senador brasiliense.

Rollemberg presidiu a audiência pública, que aconteceu na manhã desta segunda-feira (09/04). O parlamentar apresentou alguns dados relacionados ao Distrito Federal, que tem quase 40 mil crianças e jovens fora da escola, além de uma média de desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) baixa e de um altíssimo índice de agressão a professores. O senador lamentou a ausência de dados em relação à educação no Entorno, assim como a falta de vagas de cursos superiores gratuitos, especialmente noturnos, tanto no DF quanto no Entrono.

Estavam presentes no debate o professor de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Célio da Cunha; o representante da Escola de Educação Popular do DF e Entorno, Rodrigo Rodrigues Garcia; e o superintendente de Programas Educacionais Especiais de Goiás, José Frederico Lyra Neto.

Para o professor Célio da Cunha, não se pode pensar na educação do DF sem se referir à história de Brasília. "Os estadistas que conceberam a nossa cidade e que iniciaram o processo educacional aqui tinham uma proposta, que precisa ser retomada, pois ainda é uma proposta válida”, defendeu. "As duas ditaduras – a de Getúlio Vargas e a de 1964 – destruíram sonhos brasileiros, interromperam projetos, mas as idéias estão aí e são fundamentais para retomarmos a educação no DF”, detalhou Cunha. "Poucas cidades contaram com proposições de pessoas como Anísio Teixeira, que idealizou as escolas-parque, e Darcy Ribeiro, que pensou na UnB como um projeto de educação comprometido com o desenvolvimento regional e do País”, exemplificou. 

O professor acredita que os desafios se acumularam especialmente pela descontinuidade política. "Precisamos edificar uma política pública de educação, acima de interesses partidários”, defendeu. "Trago aqui a idéia de um plano completo de educação, que seja inclusivo, que englobe todas as classes sociais e todas as idades, que persiga a universalização com qualidade da educação básica em tempo integral, a implantação de uma rede de escolas técnicas, a erradicação do analfabetismo, uma política integrada de educação superior, além da idéia da Unesco de cidades educadoras”, sugeriu.

Cunha também pediu apoio na aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE) e sugeriu a criação de centros para capacitar professores recém-formados ou contratados, que funcionariam como uma espécie de residência. O objetivo é aumentar a qualidade do ensino.

Lyra Neto detalhou o Pacto pela Educação, projeto lançado pelo Governo de Goiás no ano passado que envolve 25 ações, como a valorização dos profissionais de educação, a redução das desigualdades educacionais e o suporte especial a escolas mais vulneráveis, como as do Entorno. Ele abordou também a questão da infraestrutura das escolas. "É importante que exista uma articulação entre os governos de Goiás, do Distrito Federal e do Governo Federal para vencermos tantos desafios”, afirmou.

Por último, Garcia fez uma explanação sobre a Escola de Educação Popular, que já está implantada no DF e no Entorno, com foco nas famílias em condições de vulnerabilidade social. Ele falou da dificuldade de acesso à educação no Entorno. "Acreditamos em uma educação pensada de acordo com a realidade de cada comunidade, com a participação social, com dialogo”, defendeu. "A população do Entorno se aproxima a dois milhões de habitantes, temos muitos anseios. Precisamos vencer inúmeros desafios, como realizar mudanças na estrutura física das escolas do Entorno, implantar as escolas-parque, dar amplo acesso a escolas técnicas, além de construir um diálogo sobre o acesso ao Ensino Superior gratuito no Entorno”, exemplificou.

O senador Rodrigo Rollemberg lamentou a ausência de um representante da Secretaria de Educação do DF na audiência pública. Ele concordou que todas as políticas públicas sejam articuladas entre o DF e sua região metropolitana, de maneira compartilhada entre os governos Federal, do DF e de Goiás. "Não existe um projeto claro de educação para o DF, temos de formular uma política de educação que não seja de um governo, mas que seja do DF, com um planejamento a longo prazo, de uma forma inovadora, e a UnB pode contribuir para este debate”, propôs o parlamentar.  

Durante o debate, foram feitos questionamentos por participantes que estavam na audiência e que enviaram perguntas por telefone ou pela Internet. As perguntas abordaram diversos temas e os convidados falaram sobre escolas em tempo integral no DF e em Goiás, sobre a continuidade dos programas educacionais, a gestão ética da Educação, a necessidade de que o tema seja uma prioridade de Estado, a capacitação dos professores, a educação popular e também a ausência de dados reais sobre educação no Entorno.

Antes de finalizar o debate, o senador Rollemberg citou a grande demanda por cursos noturnos de capacitação técnica, a greve dos professores do DF, a necessidade de diálogo entre o sindicato e o GDF, além lamentar novamente a ausência de um representante da Secretaria de Educação do DF para trazer dados e responder às dúvidas, especialmente sobre a paralisação dos professores, que já dura 30 dias.

"Foi um debate importantíssimo, especialmente no que diz respeito à construção de um fórum permanente para debater as questões de educação do DF e de toda a região do Entorno”, destacou. "Obrigado a todos, especialmente aos professores que participaram desta rica discussão”, finalizou Rollemberg.

A próxima audiência pública do ciclo de debates sobre o desenvolvimento do DF e do Entorno abordará a questão da saúde pública na região. O encontro acontecerá na próxima segunda-feira (16), às 11h, no Plenário 15 da Ala Alexandre Costa.
Fonte: Agência Senado