*/ Senador de Bras?lia:A falta de visão estratégica do Governo do Distrito Federal
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Discursos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :10/03/2014
A falta de visão estratégica do Governo do Distrito Federal
 
O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco Apoio Governo/PSB – Distrito Federal. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) – Muito obrigado.

Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, inicialmente, também quero me solidarizar com a família do ex-Senador e ex-Deputado Sérgio Guerra. Fiquei extremamente sentido, triste, com o falecimento de Sérgio Guerra.
 
Sérgio Guerra foi um bom amigo que fiz nesta Casa. Foi do Partido Socialista Brasileiro, uma das pessoas mais preparadas, mais qualificadas, mais inteligentes com que tive oportunidade de conviver.
 
Portanto, meus votos de condolência à família, aos seus correligionários do PSB, ao povo de Pernambuco, que perdeu um grande representante.
 
Assomo à tribuna, Sr. Presidente, nesta primeira segunda-feira após o carnaval para manifestar, mais uma vez, as minhas preocupações com a condução do Distrito Federal, com a falta de visão estratégica do Governo do Distrito Federal  e com a falta de transparência do Governo do Distrito Federal, que trago para avaliação desta Casa e para pedir apoio do Governo Federal para que este possa interceder, interferir para evitar que Brasília, que o Distrito Federal, governado pelo Governador Agnelo Queiroz, seja vítima de notícias muito negativas a serem veiculadas no plano nacional. 

É importante registrar, Sr. Presidente, que o Governo Federal já socorreu, no início do Governo Agnelo, ao enviar o Secretário da Casa Civil, Sr. Swedenberger Barbosa, para ser efetivamente um governador paralelo, porque havia uma preocupação de que o Governador Agnelo perdesse completamente as rédeas do Governo do Distrito Federal.
 
Quero aproveitar a presença da ex-Ministra Gleisi, Senadora pelo PT, para apelar para que, mais uma vez, o Governo Federal interfira para evitar que o Governo do Distrito Federal cometa algumas atitudes que vão trazer enormes prejuízos ao Distrito Federal. 
 
O primeiro tema que eu trago, Sr. Presidente, trata de uma matéria publicada no Correio Braziliense neste final de semana e que dá conta de que o Governo do Distrito Federal está desalojando nada mais, nada menos do que parte da Embrapa Cerrados.
 
A Embrapa Cerrados é responsável por uma verdadeira revolução produzida no campo, que transformou o Cerrado brasileiro num grande polo de produção de alimentos, por meio da revolução feita nos solos, das variedades desenvolvidas, com uma pecuária cada vez mais produtiva. O fato é que, se, hoje, o Brasil cresce com índices muito fracos, esses índices só não são ainda mais fracos em função do desempenho da agricultura no nosso País. E grande parte do sucesso no desempenho da produtividade da agricultura brasileira se dá em razão das pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Cerrados.
 
Pois bem, o Governo do Distrito Federal quer desalojar a Embrapa Cerrados, uma área que abrange, há dezenas de anos, 90 ha, para ali implantar um núcleo populacional. É importante registrar que, naquela área – e a Embrapa ofereceu outras áreas para o Governo do Distrito Federal –, são desenvolvidas pesquisas há mais de 15 anos, com o acompanhamento, ao longo desses 15 anos, do solo, das modificações no solo, da interação do solo com outros produtos, da produção pecuária brasileira. 
 
É importante registrar que, nos debates ocorridos nesta Casa, durante o Código Florestal, uma das questões relevantes para a sustentabilidade do País trazida por vários pesquisadores foi exatamente o aumento da produtividade da pecuária brasileira. Por quê? Porque um país grande produtor de carne como o nosso, que ocupa grandes áreas com pecuária, no momento em que aumenta o seu índice de produtividade da pecuária, que hoje é muito baixo, pode produzir muito carne sem pressionar os biomas preservados com a expansão da fronteira agrícola e pecuária. Ali são anos de trabalho investidos. Vários trabalhadores estão debruçados, há muitos anos, sobre suas pesquisas, mudando as características da produção agrícola brasileira, tornando a nossa agricultura extremamente competitiva. E o Governo do Distrito Federal, que tem o conjunto de áreas disponíveis, com uma facilidade muito maior do que qualquer outra unidade da Federação, já que grande parte das terras do DF é pública, resolve fazer o núcleo populacional exatamente na área da Embrapa Cerrados. 
 
Nós conclamando a comunidade científica brasileira, o Ministro da Ciência e Tecnologia, o CNPq, a FINEP a apelarem ao Governo Federal no sentido de que determine ao Governo do Distrito Federal que identifique outra área. Nós somos favoráveis a que haja expansão dos programas habitacionais, mas não concordamos que seja exatamente na área da Embrapa Cerrados, se o Distrito Federal oferece um conjunto de alternativas para a implementação desses núcleos populacionais.
 
Passo a ler, Sr. Presidente, o manifesto dos empregados da Embrapa Cerrados, intitulado "O início do fim da Embrapa Cerrados”:
É com imensa tristeza que nos deparamos com a notícia de que a Embrapa Cerrados terá que ceder ao Governo do Distrito Federal uma área de 90 ha próxima à BR-020 com a finalidade de assentar quatro mil famílias, justo no ano que a Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, comemora o seus 40 anos.

O GDF não poupou a Embrapa Cerrados e optou por uma decisão que marca, lamentavelmente, o início do fim dessa unidade, que é o patrimônio não só da população de Brasília mas de todos nós brasileiros. Trata-se do início do fim, pois dificilmente os experimentos de campo, que hoje são objeto de roubos e mortes de animais resistirão à pressão causada por uma vizinhança estimada em 20 mil pessoas.
Além disso, o GDF já disponibilizou uma outra área da instituição para cooperativa de catadoras e existem planos para construção de quadras poli esportivas em uma terceira área. É realmente uma perna enorme, uma vez existem outras alternativas que poderiam ser acionadas e que poupariam a Embrapa Cerrados só que, infelizmente, essas opção não possuem a mesma visibilidade que as terras situadas às margens da BR-020. 
 
A Embrapa Cerrados, localizada próximo à cidade de Planaltina, no Distrito Federal, é uma das 47 unidades da Embrapa, foi criada em 1975. Essa unidade foi a responsável pela maior parte das pesquisas que permitiram a incorporação dos cerrados brasileiros ao processo de produção agrícola, uma das maiores conquistas da agricultura tropical no século 20. Até meados dos anos 70, o cerrado era considerado improdutivo e hoje bate recorde e mais recorde de produtividade.
 
Sem a pesquisa agropecuária isso jamais teria sido possível. Técnicas de correção e adubação do solo, seleção de bactérias que substituem adubos nitrogenados, desenvolvimento de cultivares de soja e milho adaptados à região, são algumas das tecnologias que foram desenvolvidas na Embrapa Cerrados e que hoje são extensivamente utilizadas por todos os agricultores do cerrado e que agora também começam a ser exportadas para os países africanos.
 
A Embrapa Cerrados, que já foi motivo de várias matérias da imprensa nacional e internacional, como os jornais New York Times, The Economist, Washington Post, já destacaram suas pesquisas que tornaram possível a revolução agrícola no cerrado. Hoje infelizmente, é vítima da miopia das autoridades locais e federais. 
 
Pedimos aos nossos governantes uma visão estratégica e de futuro. Com o crescimento urbano ocorrido em Brasília, nos últimos 50 anos, a Embrapa Cerrados, que originalmente estava localizada em área rural, longe dos centros urbanos, atualmente já se encontra rodeada por assentamentos e condomínios. A criação desse novo aglomerado urbano, numa área que vem sendo utilizada em pesquisas, há mais de 30 anos, na frente da entrada da Embrapa, marca o início do lento processo que culminará com o extermínio dessa instituição.
 
É difícil acreditar que as autoridades locais que lideram esse processo não sejam contestadas por instâncias maiores do Governo Federal. E aqui eu peço o apoio da Senadora Gleisi. O espírito embrapiano, que não teme desafios e não se esquiva frente a diversidades, buscando sempre formas inovadoras de viabilizar soluções muitas vezes consideras improváveis não nos permite ficar calados.
 
É com esse espírito que fazemos essa denúncia pública, pois não podemos permitir que essa crônica de uma morte anunciada venha a se concretizar.
 
O orgulho que sentimos quando visitantes internacionais saúdam o fruto do nosso trabalho e o reconhecimento de toda a sociedade aos nossos trabalhos de pesquisa vão nos dar força e coragem para superar essa ameaça, pois o Brasil precisa estimular instituições como a Embrapa Cerrados e não exterminá-las.
 
Eu fico impressionado, Senador Ricardo Ferraço, com a falta de visão estratégica do Governo do Distrito Federal, como diz a nota, com a miopia, porque esta é a vocação de Brasília: em plena sociedade do conhecimento, se transformar num grande polo de produção de conhecimento. E se nós temos ali um centro já instalado há 30 anos funcionando, com registros destes 30 anos, mas retirar tendo um conjunto de outros lugares para fazer um núcleo populacional demonstra que este Governo não tem visão estratégica.
 
É importante registrar que esse centro da Embrapa está também na zona de amortecimento da unidade da Estação Ecológica de Águas Emendadas, responsável pela nascente de duas das principais bacias hidrográficas brasileiras, que, apenas nos últimos anos, recebeu 12 missões internacionais para conhecimento das pesquisas desenvolvidas nessa área. Portanto, eu quero apelar ao Ministro da Ciência e Tecnologia. Quero alertar a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a Academia Brasileira de Ciências, o CNPq, a Finep e solicitar ao Ministro da Ciência e Tecnologia que ele possa interceder junto à Presidenta Dilma para não permitir que isso vá em frente, comprometendo uma das instituições mais respeitadas e reconhecidas no Brasil e no mundo, como a Embrapa, especialmente esse centro fundamental que é o centro da Embrapa Cerrado.
 
O segundo registro que eu gostaria de fazer se trata de uma matéria publicada na Veja Brasília assinada pela jornalista Lilian Tahan que dá conta, Senador Ricardo Ferraço, de que, se não houver também uma interferência dos órgãos de controle ou do próprio Governo Federal, o estádio de Brasília acabará  superando as cifras estratosféricas de R$2 bilhões para a construção de um estádio.
 
Vejam que, paralelamente, nós estamos em plena sociedade do conhecimento e nós temos um Governo que desativa um centro de pesquisa, que funciona há mais de 30 anos, para ter como grande marca do seu governo um estádio de mais de R$2 bilhões, um verdadeiro elefante branco.
 
Esta será a marca do Governo Agnelo: um estádio de mais de R$2 bilhões, em contrapartida desativando um centro de pesquisa de excelência como o da Embrapa Cerrado.
 
Vejam que, além das cifras estratosféricas, o que chama a atenção é a falta de transparência.
 
É importante registrar, minha gente, que, no início, a previsão da construção desse estádio era estimada em torno de R$700 milhões. Ele já está em quase dois bi.
 
Eu dou o exemplo de Estados governados pelo PT, como o Estado da Bahia, onde o Governador Jaques Wagner está concluindo um estádio, que vai cumprir o mesmo papel do estádio de Brasília, por R$600 milhões, ou o Estado de Pernambuco, que está concluindo o estádio pelo mesmo preço em que ele foi orçado, ou seja, algo em torno de R$500 milhões. No Distrito Federal, nós temos um estádio que já está quatro vezes mais caro do que isso, algo em torno de R$2 bilhões.
 
O que chama a atenção é que 47 aditivos – vejam bem, eu vou repetir este número: 47 aditivos –, nesse contrato, que beneficia apenas duas grandes empresas, foram feitos sem publicação no Diário Oficial da União. 
 
Eu pergunto: onde está a transparência? Onde está a transparência?
 
Nós estamos a menos de cem dias da realização de uma Copa que, pelo menos para o Distrito Federal, não trará nenhum legado. Não trará nenhum legado, a não ser uma péssima qualidade nas condições de saúde, nas condições de segurança, nas condições de educação, porque todos os investimentos do Distrito Federal, todos os recursos de investimentos do Distrito Federal, nos últimos anos, foram tragados por esse estádio.
 
Eu dizia, outro dia, aqui, Senador Ricardo Ferraço, que, no dia 27 de dezembro, o Governo remanejou R$140 milhões destinados à infraestrutura do setor Noroeste para reforma do estádio Mané Garrincha. E dizia que, salvo engano, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma foto da cobertura do estádio, com menos de seis meses de inauguração, em que as pessoas assistiam a um jogo, debaixo da área coberta do estádio, com guarda-chuvas, porque chovia torrencialmente na área coberta do estádio.
 
Um estádio de R$2 bilhões e, agora, como revela a jornalista Lilian Tahan, na revista Veja Brasília, com 47 aditivos que não foram, sequer, publicados no Diário Oficial.
 
Eu dizia aqui, no início do meu pronunciamento, que o Governo Federal, a Presidenta Dilma, teve que socorrer o Governador Agnelo no início do seu Governo, colocando um verdadeiro interventor, e que não o negava, que estava chegando ao Governo do Distrito Federal na figura de um interventor. E eu peço a esse interventor que possa contribuir, agir para prevalecer o bom senso no âmbito do Distrito Federal ou, se isso não for possível, Senador Anibal, eu peço a V. Exª interferência de V. Exª junto à Presidenta Dilma, para conter os desatinos do Governo do Distrito Federal, governado pelo Governo Agnelo, porque está chegando a algo sem limites, jamais visto, e esta será a marca do Governo Agnelo.
 
Um Governador que fecha um centro de pesquisas, que fecha áreas de um centro de pesquisas, que, há mais de 30 anos, desenvolve pesquisas de interesse nacional, que vêm mudando o perfil da agricultura brasileira no Cerrado nos últimos 30 anos, e que tem como marca do seu Governo, de única marca, único projeto do seu Governo, um estádio de futebol que custou mais de R$2 bilhões, que já está custando algo como R$2 bilhões.
 
Esse registro, Sr. Presidente, com muita indignação, eu não poderia deixar de fazer. Mas, como entendo que ainda há gente de bom senso no âmbito do Governo Federal, eu peço o apoio do Governo Federal para conter as insanidades que estão acontecendo no âmbito do Governo do Distrito Federal.
 
Muito obrigado.
Fonte:
 
 
fazer comentario comentários
imprimir

 

Mais Discurso
A FACA DO FAC - [29/04/2014]
Dia do Artesão - [19/03/2014]

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma
Educação
CPI com investigação ampla enfraquece o Legislativo, afirma Rollemberg
Meio Ambiente
Números de relatório sobre mudança climática do IPCC são alarmantes, alerta Rollemberg
PSB
Rollemberg explica posição do PSB em relação à CPI da Petrobras
Distrito Federal
Senador alerta para risco de criação de novas cidades no DF
Cidadania
Rollemberg defende regulamentação profissional de artesãos

Vídeo

 

footer_down_01