*/ Senador de Bras?lia:Campanha da Fraternidade
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Discursos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :09/03/2009
Campanha da Fraternidade
 
O SR. PRESIDENTE (Luiz Couto) Concedo a palavra ao nobre Deputado Rodrigo Rollemberg, que falará pelo Bloco/PSB do Distrito Federal. S.Exa. dispõe de até 5 minutos.

O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco/PSB-DF. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Deputado Luiz Couto; prezado Dom Luiz Soares Vieira, Vice-Presidente da CNBB e Arcebispo de Manaus; prezado Frei Rubens Nunes da Mota, Assessor da Conferência dos Religiosos do Brasil; Exmo. Reverendo Luiz Alberto Barbosa, Secretário-Geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs no Brasil; Padre Ernanne; nobres colegas com quem tenho a honra de dividir a iniciativa da realização desta sessão, Exmos. Srs. Deputados Nelson Pellegrino, Magela, Luiz Couto, Nilson Mourão, José Linhares e Pedro Wilson; autoridades presentes; cumprimento ainda as mulheres, e ao fazê-lo, presto minhas homenagens pelo passagem do Dia Internacional da Mulher; enfim, meus cumprimentos a todas as cidadãs e cidadãos que comparecem a esta sessão solene.

Ao abordar o tema da Campanha da Fraternidade deste ano, Fraternidade e Segurança Pública, traduzido no lema A paz é fruto da justiça, começo com breve consideração sobre o papel do parlamento na construção de uma sociedade mais pacífica e justa.

De acordo com os fundamentos da teoria política e do ordenamento jurídico das modernas democracias, entre as quais se inclui a brasileira, compete ao Poder Legislativo, além de elaborar as leis, fiscalizar as instâncias da Administração Pública, repercutir as demandas dos diversos segmentos sociais e apontar caminhos que conduzam à melhora da qualidade de vida da população e ao desenvolvimento do País.

Gostaria, hoje, entretanto, de lembrar uma outra missão desta Casa, com frequência esquecida: a de se constituir permanentemente como espaço da defesa e do cultivo dos valores supremos da civilização e da ética, não somente no sentido do bom exemplo que deve dar no trato honesto e honrado com a coisa pública, mas também da sua obrigação de atuar como centro irradiador dos princípios que norteiam a convivência equânime e cooperativa entre os seres humanos. O ideal seria que a breve menção a esta Casa e ao nome de cada um de seus membros se associasse de imediato, na mente de todas as pessoas, ao humanismo e ao amor ao próximo.

Esta sessão é mais um gesto, entre tantos outros, que objetiva reduzir o hiato entre ideal e realidade. E o esforço de boa parte dos membros desta Casa de aproximá-la dos caminhos do bem deve se somar ao daqueles que se empenham por aproximar as pessoas umas das outras, pelo simples e fundamental fato de serem pessoas, por isso mesmo, dignas do acesso a condições de vida propriamente humanas — malgrado as diferenças de região, religião, classe, cor, gênero, idade e ideologia.

Já é por si só monumental tarefa romper os limites da insensibilidade e da indiferença e sepultar de vez os velhos preconceitos e credos elitistas, que pregam como natural que alguns seres humanos hauram uma vida de luxo e fausto, enquanto outros morrem à míngua, por mais que nos últimos anos tenha se tornado mais difícil defender abertamente tais aberrações. Tarefa igualmente gigantesca é conseguir redefinir os critérios segundo os quais medimos nosso grau de humanidade; sim, porque, tácita ou explicitamente, tendemos a considerar mais humanos os mais aptos a consumir.

Assim, somos supostamente mais humanos quando consumimos mais; porém, os recursos do planeta são finitos e os efeitos climáticos gerados pela ação antrópica são severos, o que põe em risco a continuidade da espécie e de toda a vida na Terra.

Somos supostamente mais humanos quando consumimos mais; porém, grande parte de nossos irmãos aufere pouca renda ou renda nenhuma, o que enseja o surgimento de legiões de famintos, despossuídos do mínimo do mínimo, e incrementa a divisão, a discórdia e a violência entre nós.

Este é um momento especial de reflexão, de construção de uma nova sociedade, de uma sociedade em que o ser tenha muito mais significado do que o ter, embora todos tenhamos que ter o necessário para uma vida digna, para reduzir as diferenças regionais, sociais e pessoais. 

Diante disso, é duplo nosso desafio: aprofundar e espraiar nosso compromisso teórico e prático com a eqüidade e a solidariedade; e retomar uma compreensão mais sutil de nossa humanidade, segundo a qual os benefícios advindos do cultivo e do exercício da virtude valem mais que a ostentação de bens e serviços adquiridos. Um e outro movimento apontam para a urgente necessidade de reespiritualização de nossas vidas.

Surgida em 1964, a Campanha da Fraternidade desempenha papel da mais alta relevância na luta em prol de indispensável revisão dos valores que regem nosso mundo. Ano após ano, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil vem reatualizando seu comprometimento com os valores maiores da fraternidade entre os seres humanos, com a clara consciência de que a fidelidade ao legado de Cristo não pode passar ao largo das justas demandas de tantos brasileiros por dignidade e justiça social. Em razão disso, aproveito este ensejo para reafirmar em alto e bom som meu apreço e reconhecimento à CNBB e a todas as pessoas que, religiosas ou não, fazem da fraternidade o princípio mestre da vida.

Por fim, quero mais uma vez sublinhar os vínculos, para mim indestrutíveis, entre fraternidade e política. O único sentido legítimo da atividade política é contribuir para que a população viva melhor. Apoiado nesse entendimento, tenho realizado meus melhores esforços para que meu mandato sirva sempre como instrumento em favor de distribuição mais justa da renda e de convivência mais pacífica e harmônica entre os brasileiros.

Cumprimento a CNBB por essa iniciativa que leva o Brasil a refletir e mobilizar-se em torno da construção de uma nova sociedade mais justa, mais solidária e mais generosa e, por isso mesmo, muito mais segura.

Muito obrigado. (Palmas.)
Fonte:
 
 
fazer comentario comentários
imprimir

 

Mais Discurso
A FACA DO FAC - [29/04/2014]
Dia do Artesão - [19/03/2014]

 
   Últimas Notícias
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma
Educação
CPI com investigação ampla enfraquece o Legislativo, afirma Rollemberg
Meio Ambiente
Números de relatório sobre mudança climática do IPCC são alarmantes, alerta Rollemberg
PSB
Rollemberg explica posição do PSB em relação à CPI da Petrobras
Distrito Federal
Senador alerta para risco de criação de novas cidades no DF
Cidadania
Rollemberg defende regulamentação profissional de artesãos
Copa do Mundo
Rollemberg denuncia superfaturamento em obras do estádio de Brasília

Vídeo

 

footer_down_01