*/ Senador de Bras?lia:Mandela foi um dos maiores líderes políticos da história moderna
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Discursos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :12/12/2013
Mandela foi um dos maiores líderes políticos da história moderna
 
O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco Apoio Governo/PSB - DF. Para uma comunicação inadiável. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, foi comovente a cerimônia em celebração ao líder Nelson Mandela, antes de ontem, na África do Sul. 

Comovente porque foi uma celebração da vida e não um lamento da morte. Comovente porque revelou o espírito de Mandela nos vários gestos simbólicos ali registrados, certamente inspirados em sua dignidade e vocação humanista e solidária, a começar pelo coro e pela dança histórica de cerca de 70 mil brancos e negros que estavam ali, juntos, no mesmo tom e no mesmo passo, em reverência ao legado do homem que pacificou um país dividido pelo ódio racial.

Em plena celebração da fraternidade, também foi marcante o gesto histórico do cumprimento do Presidente norte-americano, Barack Obama, ao Presidente cubano, Raúl Castro. Mais que uma formalidade de ocasião, o gesto foi comentado oficialmente no portal do governo cubano como "um sinal de esperança".
 
Ocasional ou intencional, o aperto de mão foi histórico. Desde a revolução cubana que um presidente americano não cumprimentava publicamente um cubano. Em 2000, na Cimeira do Milênio das Nações Unidas, Fidel Castro apertou a mão de Bill Clinton, mas foi em privado, durante um almoço a portas fechadas, longe dos holofotes. À época, a Casa Branca hesitou em confirmar o aperto de mãos, que partiu de iniciativa de Fidel e foi retribuído por Clinton.
 
O cumprimento de antes de ontem entre Obama e Raúl Castro pode ter sido um gesto de educação ao funeral de Mandela ou um sinal alvissareiro para a congelada relação entre os dois países, ainda que sem consequências práticas e imediatas. Somente o tempo vai confirmar as diversas leituras feitas desse gesto. Mas uma questão parece evidente: ali, naquele aperto de mãos, sobressaiu-se o espírito de Mandela.
 
Que esse possa realmente ser um sinal de esperança, de um novo milagre de Mandela e não apenas um gesto civilizado, mas um gesto de uma nova civilidade, de um novo paradigma de civilização.
 
Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, eu quero hoje prestar a minha homenagem ao querido Madiba não só pelo grande humanista e pacifista que foi, mas pelo conjunto da sua luta, pelo valor também extraordinário de sua trajetória revolucionária. E o faço na condição de Líder do PSB, um partido socialista que tem por Nelson Mandela uma profunda admiração. 
 
A melhor forma de anular um homem e em especial um político é torná-lo consensual. Depois da morte física, mata-se pelo elogio desmesurado e vazio de conteúdo a memória política.
 
Um Nelson Mandela adocicado foi exaltado depois da sua morte como uma espécie de unanimidade, alguém que dirigiu o desmonte do apartheid quase sem enfrentar oposição, quase um personagem romântico de Hollywood.
 
Mas é preciso destacar também o valor de sua luta. A práxis política de Mandela se inscreve na história específica das grandes lutas africanas pela emancipação humana. E a sua opção pela luta armada não resultou de uma posição de princípio ou de um temperamento bélico. Foi por pragmatismo, ao perceber que o regime e as potências ocidentais seriam insensíveis a uma via pacifica de resistência, e fazia do regime do apartheid um mal menor para os Estados Unidos, eles próprios com pouca sensibilidade para temas como a igualdade racial.
 
Por isso, Mandela aceitou que a guerra civil, mesmo sendo indesejada, poderia vir a ser inevitável.
 
Madiba viveu com dignidade esta dolorosa etapa de sua vida e pagou por isso, com 27 anos de prisão, e mesmo depois da vivência em cárcere não se deixou cegar pelo rancor. Esta talvez seja a sua mais admirável qualidade humana. Só alguém que atinge o mais profundo comprometimento na interpretação dos desejos do seu povo pode praticar uma absoluta capacidade de entrega, de resignação e sacrifício.
Mandela conciliava ideais com pautas políticas e administrativas – e isso acontecia por sua rara sensibilidade e sabedoria no trato com o coletivo e na valorização do individual.
 
Poucos políticos souberam harmonizar tão bem competência técnica, liderança, habilidade política, visão estadista e princípios éticos com uma vocação sensível de escuta.

(Soa a campainha.)
 
O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco Apoio Governo/PSB - DF) – Sua extraordinária disposição ao diálogo foi determinante para a reconstrução democrática da África do Sul. Testemunho que transcendeu as fronteiras de sua pátria para repercutir como magnífico modelo de um político íntegro com a capacidade de fazer política de um modo extraordinariamente novo.
 
Certamente, Mandela foi um dos maiores líderes políticos da História Moderna. E sua grandiosidade se forjou na profunda e leal ligação com as aspirações e a luta cotidiana do povo sul-africano, como se forjam os grandes heróis. Ele derrubou o apartheid e criou uma África do Sul democrática e não-racial, sabendo exatamente quando e como fazer a transição entre o seu papel de guerreiro, mártir, diplomata e estadista.
 
E o mundo nunca precisou tanto das táticas e lições de Mandela. Primeiro, quando ele afirma que "a educação é a mais poderosa arma pela qual se pode mudar o mundo" e que "democracia com fome, sem educação e saúde para a maioria, é como uma concha vazia". Uma lição extremamente apropriada para este momento de crise e renovação que vive a democracia brasileira, com esta explosão afirmativa que temos hoje nas ruas do País.
 
Se é o protagonismo do cidadão que sustenta a democracia, não há protagonismo sem educação. Mandela nos ensina que a democracia só será plena, mesmo, se for colocada na escala da promoção humana e nas bases de toda e qualquer diretriz de desenvolvimento e autonomia nacional.
 
Com ele, descobrimos que somos capazes de fazer a diferença que queremos ver no mundo, no sentido da consciência libertadora e da realização coletiva.
 
A atitude afirmativa e consciente de Mandela sinaliza a postura crítica e política do futuro, com base na força moral para o combate em pequenas e grandes causas.
 
Diferença que ele sempre irá simbolizar. Seu exemplo permanece vivo e inspiram novos tempos. Foram 94 anos de vida altamente inspiradores para a humanidade: do garoto protegido de um rei tribal aos primeiros anos de luta contra o regime segregacionista do apartheid, dos anos de prisão aos anos de plena maturidade que lhe renderam o Prêmio Nobel da Paz de 1993.
 
(Soa a campainha.)
 
O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco Apoio Governo/PSB - DF) – Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, encerro este pronunciamento com sábias palavras deste eterno mestre: "Quando deixamos nossa luz própria brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo.”
 
Nossa maior homenagem será manter vivo o seu exemplo. Salve a sua luz, Mandela, guia e esteio de um novo tempo.
 
Muito obrigado, Sr. Presidente.
Fonte:
 
 
fazer comentario comentários
imprimir

 

Mais Discurso
A FACA DO FAC - [29/04/2014]
Dia do Artesão - [19/03/2014]

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma
Educação
CPI com investigação ampla enfraquece o Legislativo, afirma Rollemberg
Meio Ambiente
Números de relatório sobre mudança climática do IPCC são alarmantes, alerta Rollemberg
PSB
Rollemberg explica posição do PSB em relação à CPI da Petrobras
Distrito Federal
Senador alerta para risco de criação de novas cidades no DF
Cidadania
Rollemberg defende regulamentação profissional de artesãos

Vídeo

 

footer_down_01