*/ Senador de Bras?lia:PDOT aprovado na Câmara atenta contra a qualidade de vida no DF
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Discursos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :16/12/2008
PDOT aprovado na Câmara atenta contra a qualidade de vida no DF
 

O SR. RODRIGO ROLLEMBERG (Bloco/PSB-DF. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, na madrugada do último dia 13 de dezembro, o Distrito Federal sofreu um duro golpe: foi aprovado na Câmara Legislativa o Plano de Ordenamento Territorial proposto pelo Governador Arruda e pelo Vice-Governador Paulo Otávio. É lamentável. Isso vai comprometer seriamente o futuro do Distrito Federal.

Brasília, cidade planejada da qual todos nos orgulhamos, tem sido vítima da especulação imobiliária que, infelizmente, está incrustada no Governo de José Roberto Arruda. A Câmara Legislativa acabou aprovando, sob pressão, o plano diretor que prevê a criação de uma cidade numa área de proteção de mananciais, o que é um absurdo. Brasília já tem uma situação hídrica extremamente grave. 

A expansão urbana projetada é muito superior à necessidade da cidade para os próximos 10 anos. Só no PDOT está prevista uma transformação de áreas urbanas quatro vezes superior à necessidade do Distrito Federal nesses quatro anos. É extrema a redução da área rural, importante para garantir a qualidade de vida no Distrito Federal.

O PSB, o PDT, o PCdoB e o PT estão divulgando uma nota à opinião pública e gostaria de deixá-la registrada nos Anais desta Casa. Envidaremos todos os esforços junto ao Ministério Público do Distrito Federal, ao Ministério Público Federal e ao IBAMA, que se posicionaram contra esse PDOT, questionando esses pontos que comprometem a qualidade de vida da população do Distrito Federal. Somos a favor da moradia popular, mas também somos a favor das futuras gerações. 

Portanto, os partidos reunidos decidiram unir forças para lutar em prol do desenvolvimento sustentável, da justiça social e da qualidade de vida no Distrito Federal, contra a especulação imobiliária e a falta de diálogo com a população. Nossa decisão é recorrer ao Ministério Público Federal o do DF, bem como ao Poder Judiciário, para retirar da lei seus aspectos mais nocivos.

A seguir, a nota aprovada pelos presidentes dos quatro partidos e levada ao conhecimento de toda a sociedade:

 
PDOT aprovado na Câmara atenta contra a qualidade de vida no DF

Na madrugada do último dia 13 de dezembro o Distrito Federal sofreu um duro golpe: a proposta de Plano Diretor de Ordenamento Territorial, do Governo de José Roberto Arruda e Paulo Octávio, foi aprovada na Câmara Legislativa. A nova lei representa uma afronta aos direitos ambientais das gerações atuais e futuras e uma vitória das grandes construtoras e especuladores imobiliários.

O Governo e seus aliados camuflaram os aspectos mais nocivos do novo PDOT sob a retórica da legalidade e do direito à moradia. O argumento, porém, é falacioso: embora contemple a justa regularização de áreas residenciais, entre elas setores habitacionais de interesse social, a proposta aprovada permite ganhos astronômicos dos mesmos que até hoje se beneficiaram com a especulação, o comércio ilegal e a grilagem de terras.

O PDOT sentencia à morte a Área de Proteção de Mananciais do Catetinho e põe em grande risco as outras APMs, uma vez que permite ao Governador, sob parecer da CAESB, extingui-las de ofício. O plano autoriza ainda uma expansão urbana desmedida, muitas vezes superior ao necessário, para atender às demandas de moradia da população até 2020, que elimina áreas rurais e acelera a degradação ambiental. 

Nos últimos 22 anos, a área urbana do DF cresceu 132%, e o novo PDOT, em vez de reverter, mantém essa tendência. Em poucos anos, não haverá mais áreas de cerrado no Distrito Federal. Tudo isso aponta para o estresse dos recursos hídricos, o aumento do fenômeno da conurbação e do inchaço populacional, da violência, do caos no trânsito e da formação das chamadas periferias de periferias. Em termos objetivos: o PDOT aponta claramente para a degradação da qualidade de vida e, em futuro não distante, para a completa inviabilidade da ocupação humana do Distrito Federal.

Além disso, nada justifica a transformação do Noroeste em setor habitacional destinado somente a segmentos de alta renda, a ser construído com base em licitação por quadra, não por projeção, o que viabiliza a participação apenas dos grandes empreendedores. Do mesmo modo, o PDOT estimula, nas novas áreas urbanas, a constituição de condomínios de luxo, como, por exemplo, ao longo da DF-140. Num e noutro caso, o Governo desconsidera o fato de que o déficit habitacional no DF atinge sobretudo os segmentos de média e baixa renda.

Dessa forma, Brasília, ao lado das outras cidades do DF, que deveria se constituir em outro modelo de desenvolvimento, baseado em planejamento urbano e preservação ambiental, lamentavelmente confirma as distorções encontradas em megalópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. 

Igualmente revoltante foi a forma como o Governo do Distrito Federal e sua base de apoio parlamentar conduziram o processo de tramitação e aprovação do PDOT. Por meio da mídia e das audiências públicas e seminários, estudiosos do mais alto renome e técnicos de órgãos federais e do próprio Governo local insistentemente alertaram para os danos ambientais irreparáveis da proposta, mas foram simplesmente ignorados. No final, a discussão do plano acabou se confundindo com a negociação dos cargos da mesa diretora da Câmara Legislativa e há a suspeita de que a aprovação do PDOT foi obtida, utilizada como objeto do tráfico de interesses espúrios.

Diante disso, o PT, o PDT, o PSB e o PCdoB se comprometem a questionar a nova lei junto ao Ministério Público do DF, ao Ministério Público Federal e ao Poder Judiciário, e unir forças com órgãos técnicos, lideranças e entidades da sociedade civil, com o objetivo de manter acesa a luta em favor do desenvolvimento sustentável e da justiça social no Distrito Federal.

Assinam:

Chico Vigilante — Presidente do Partido dos Trabalhadores-DF
Cristovam Buarque — Presidente do Partido Democrático Trabalhista-DF
Marcos Dantas — Presidente do Partido Socialista Brasileiro-DF
Apolinário Rebelo — Presidente do Partido Comunista do Brasil-DF

Muito obrigado.

Fonte:
 
 
fazer comentario comentários
imprimir

 

Mais Discurso
A FACA DO FAC - [29/04/2014]
Dia do Artesão - [19/03/2014]

 
   Últimas Notícias
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma
Educação
CPI com investigação ampla enfraquece o Legislativo, afirma Rollemberg
Meio Ambiente
Números de relatório sobre mudança climática do IPCC são alarmantes, alerta Rollemberg
PSB
Rollemberg explica posição do PSB em relação à CPI da Petrobras
Distrito Federal
Senador alerta para risco de criação de novas cidades no DF
Cidadania
Rollemberg defende regulamentação profissional de artesãos
Copa do Mundo
Rollemberg denuncia superfaturamento em obras do estádio de Brasília

Vídeo

 

footer_down_01