*/
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Artigos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :10/09/2013

Cerrado: o bioma mais ameaçado do Brasil

Rollemberg cobra, mais uma vez, a aprovação da PEC do Cerrado, uma proposta de emenda à Constituição que visa inserir o bioma entre aqueles considerados pela Constituição Federal como patrimônio nacional. Proposta já tramita há 18 anos no Congresso Nacional

Em 2013, o Dia Nacional do Cerrado, comemorado em 11 de setembro, tem profunda importância simbólica. Este ano completam-se 18 anos da tramitação da PEC do Cerrado, uma Proposta de Emenda à Constituição que visa inserir o bioma entre aqueles considerados pela Constituição Federal como patrimônio nacional, cuja utilização deve assegurar a preservação do meio ambiente.

O cerrado brasileiro abrange o Distrito Federal e 10 estados, está presente em cerca de 25% do total de municípios no país, detém 5% da biodiversidade do planeta e apresenta a maior diversidade biológica entre as savanas mundiais. O bioma possui vegetação extremamente rica e variada e muitas espécies da nossa flora e da nossa fauna não existem em qualquer outro local do mundo.

Além disso, a região abrangida pelo cerrado é o berço de grandes bacias hidrográficas que abastecem milhões de habitantes. O bioma é responsável por mais de 70% da vazão gerada nas bacias dos rios Araguaia, Tocantins, São Francisco, Paraná e Paraguai. Além disso, participa das bacias do Amazonas, do Atlântico Norte e do Atlântico Nordeste.

A vegetação do cerrado contém genes que tornam as plantas tolerantes à seca e a temperaturas mais altas. A manipulação desses genes é importante no melhoramento genético destinado a criar variedades de plantas adaptadas a essas condições, além da possibilidade de introdução de culturas mais adaptadas às mudanças climáticas.

Apesar de sua evidente importância ambiental, quase 50% da cobertura original já foi removida. O cerrado não conta com uma lei específica que discipline a ocupação do espaço geográfico e o aproveitamento econômico racional dos recursos naturais, como na Mata Atlântica, e não dispõe de sistema de fiscalização e controle do desmatamento tão consolidado como o da Floresta Amazônica. Isso faz com que o cerrado seja considerado atualmente o bioma mais ameaçado do Brasil.

Historicamente, a principal causa do desmatamento no cerrado é o avanço acelerado e desordenado da agricultura intensiva, em especial a partir da década de 1970. O processo de mecanização e a evolução das tecnologias agrícolas, notadamente as relativas à adubação, à irrigação do solo e à descoberta de variedades de culturas mais adaptadas à região, propiciaram condições para o desenvolvimento da agropecuária no cerrado. Tanto a agricultura mecanizada para produção de grãos quanto a pecuária extensiva continuam sendo dois fatores determinantes do desenvolvimento da região.

O avanço desordenado da fronteira agrícola ameaça também os povos do cerrado e a sobrevivência dos seus conhecimentos tradicionais, dos seus saberes e fazeres. É amplamente reconhecida a importância da cultura desses povos para a proteção do meio ambiente, bem como do acesso aos recursos naturais para a reprodução física e social dessas populações.

Sempre que se substitui pluralidade por singularidade, diversidade por unicidade, a sociedade como um todo sai perdendo. Esse processo vem acontecendo em ritmo acelerado no cerrado brasileiro. O patrimônio representado pela diversidade biológica e social da região vem sendo rapidamente dilapidado em nome de interesses econômicos que, embora legítimos e úteis, precisam ser disciplinados. A necessidade de ampliar as exportações de commodities para a formação de superavits da balança comercial brasileira não pode servir de desculpa para a destruição da riqueza ambiental e cultural do país. O interesse privado de poucos não pode sobrepujar o interesse público, de todos.

Paralelamente à PEC do Cerrado (PEC nº 115/1995), tramitam no Congresso Nacional outros nove projetos com o mesmo objetivo. É fundamental que o parlamento brasileiro reconheça a importância de protegermos a sociobiodiversidade do cerrado. Cabe aos deputados e senadores reparar o equívoco cometido pelo constituinte originário, que perdeu a oportunidade de atribuir ao bioma a devida relevância.

Além dessas propostas de emenda à Constituição, tramita no Senado um projeto de lei que institui a Política de Desenvolvimento Sustentável do Cerrado (PLS nº 214/2012), destinada a conjugar crescimento econômico, responsabilidade ambiental e justiça social. É fundamental disciplinar o uso dos recursos naturais da região, a fim de evitar que se repita no cerrado o desastre que, ao longo do tempo, reduziu a Mata Atlântica a menos de 10% da cobertura original.

O parlamento não pode continuar a se omitir. A questão é urgente! Nós, habitantes do cerrado, gostaríamos de ter mais a comemorar em 11 de setembro de 2014.
 
Publicando no Jornal Correio Braziliense

Fonte:


fazer comentario comentários
imprimir
Compartilhe

 

Mais Artigos

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma

Vídeo

 

footer_down_01