*/
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Artigos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :31/05/2010

Transparência e Ficha Limpa: avanços da democracia

Rollemberg acredita que o início da vigência da Lei da Transparência e a transformação do Ficha Limpa em lei contribuem para o fortalecimento do controle dos cidadãos sobre autoridades e instituições públicas e para o aprimoramento da atividade política com vistas ao bem comum

Dois acontecimentos recentes prometem entrar para a história da nossa democracia: a entrada em vigor, no dia 27 de maio, da Lei da Transparência e a aprovação no Congresso Nacional do Projeto Ficha Limpa. 

A Lei da Transparência, proposta pelo Partido Socialista Brasileiro e sancionada pelo presidente Lula no ano passado, aperfeiçoa a Lei de Responsabilidade Fiscal, obrigando entidades e órgãos públicos — federais, estaduais e municipais — a divulgar em tempo real todas as informações referentes a receitas e despesas realizadas com dinheiro público. Por definição, os recursos geridos pelo Estado pertencem ao povo, o que significa não apenas que eles devem ser aplicados para o bem do povo, mas, também, que é aos cidadãos que se deve prestar contas de sua utilização. 

Não se pode falar em cidadania plena se o caixa do Tesouro é tratado pelos governantes como uma caixa-preta. É verdade que, nos últimos anos, os atos dos poderes públicos, inclusive os financeiros, tornaram-se mais transparentes. O maior exemplo disso é o Portal da Transparência, mantido pela Controladoria-Geral da União, que disponibiliza na internet toda a movimentação financeira do Poder Executivo federal. Também ocorreram avanços na divulgação dos gastos efetuados pela Câmara dos Deputados e Senado Federal, e diversos estados e municípios tomaram a iniciativa de montar os seus portais na internet. 

Agora, porém, a questão não depende mais da vontade dos chefes do Executivo ou dos membros do Legislativo, do Judiciário e do Ministério Público; agora, a transparência é imposição legal. Bem-entendido, todas as informações divulgadas devem ser fornecidas de forma clara, objetiva e em linguagem acessível a todo e qualquer cidadão medianamente instruído. 

Por sua vez, o Ficha Limpa impede que pessoas condenadas em órgãos colegiados do Judiciário possam concorrer a cargos eletivos. Esse novo diploma legal contribui para a implementação de um princípio que podemos chamar de "segurança eleitoral”, uma vez que elimina o risco de que sejam eleitas pessoas com problemas na Justiça. 

Anteriormente, ficavam inelegíveis somente os condenados por crimes contra a economia popular, a fé pública, a administração pública, o mercado financeiro e o sistema eleitoral; a partir de agora, será possível barrar a candidatura de condenados por uma série de outros crimes, como os de corrupção e homicídio e os crimes que atentem contra o meio ambiente e a saúde pública, entre outros. O período de inelegibilidade, que antes variava de 3 a 8 anos, foi unificado em oito anos; além disso, um político que renuncie ao mandato, com vistas a escapar da cassação, não poderá mais concorrer nas eleições seguintes. 

A importância do Ficha Limpa, entretanto, transcende essas novas regras. Sua verdadeira dimensão histórica advém do fato de que ele é fruto de uma poderosa mobilização da sociedade brasileira, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, que faz parte da mesma linhagem das lutas pelas Diretas-Já e do movimento pró-impeachment do ex-presidente Collor. Aqueles dois movimentos estavam associados, respectivamente, ao restabelecimento da democracia e à sua consolidação. Já o Ficha Limpa visa ao aperfeiçoamento republicano de nossa democracia. É preciso que sua aplicação se dê a partir das eleições deste ano e que abranja também as condenações já ocorridas, em vez de apenas aquelas que venham ocorrer a partir de agora. 

A rigorosa demarcação entre a esfera pública e a esfera privada é a pedra de toque da República e da democracia. O cidadão investido na condição de agente público, por meio de eleição, concurso ou livre nomeação, é um guardião da coisa pública, não seu proprietário. O início da vigência da Lei da Transparência e a transformação do Ficha Limpa em lei contribuem para o fortalecimento do controle dos cidadãos sobre autoridades e instituições públicas e para o aprimoramento da atividade política com vistas ao bem comum. Por tudo isso, essas são medidas especiais, que certamente farão avançar nossa democracia.

Artigo publicado no jornal Correio Braziliense 

Fonte:


fazer comentario comentários
imprimir
Compartilhe

 

Mais Artigos

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma

Vídeo

 

footer_down_01