*/
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Artigos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :04/11/2009

Fundo Social do Pré-Sal : um início promissor

Em artigo, Rollemberg explica como foi realizado o traballho da Comissão Especial do Fundo Social do Pré-Sal da Câmara dos Deputados

Nessa quarta-feira (04/11), a Comissão Especial do Fundo Social do Pré-Sal da Câmara dos Deputados, que tive a honra de presidir, encerrou com pleno êxito os seus trabalhos. O funcionamento do colegiado foi marcado pela objetividade, tendo em vista a necessidade de cumprir o prazo estabelecido pelo presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), de levar ao plenário da Casa, até o dia 10/11, os quatro projetos de lei acerca do pré-sal, enviados ao Congresso Nacional pelo presidente Lula.

Durante os debates predominaram a boa qualidade dos comentários e proposições e o clima de entendimento e cooperação, com vistas a fazer do Fundo Social um instrumento efetivo do desenvolvimento social e econômico do país, em bases ecologicamente sustentáveis. Com muito discernimento e habilidade, o deputado Antonio Palocci (PT-SP), relator do projeto, incorporou as principais contribuições dos membros da comissão, o que garantiu a aprovação unânime do substitutivo.

Na forma como foi concebido, o fundo apresenta uma natureza híbrida, ou seja, ele é, ao mesmo tempo, um fundo social e um fundo soberano; é social do ponto de vista de seu objetivo estratégico: contribuir para superar o quadro de considerável atraso e desigualdade que ainda caracteriza nosso país; é soberano do ponto de vista de seu âmbito de atuação: vinculado a um Estado soberano, no caso o brasileiro, ele se capitalizará por meio de investimentos financeiros realizados no exterior.

Caso o plenário ratifique a proposição atual, os recursos do fundo serão destinados a programas e projetos nas seguintes áreas: combate à pobreza, educação, cultura, saúde pública, ciência e tecnologia e mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Essas são áreas estratégicas para a melhora da qualidade de vida da população e o aumento de suas capacidades de formular e implementar seus sonhos.

Os investimentos realizados no exterior deverão obedecer ao critério primordial da maior rentabilidade, embora não esteja excluída a possibilidade de o fundo brasileiro proceder como o norueguês, que investe em papéis e empresas que guardam uma imagem de respeitabilidade política, ética e ecológica.

É crucial que os recursos do fundo sejam introduzidos de forma parcimoniosa no país, uma vez que a internalização de enormes quantias em moeda estrangeira provocará, além de outros desequilíbrios, a sobrevalorização do real, o que acarretará o encarecimento de nossos produtos e serviços de exportação e a redução de sua competitividade no mercado internacional.

A parcimônia na internalização dos recursos do fundo se justifica também em função da necessidade de preservar os interesses das futuras gerações, garantindo-se que parte dos recursos seja poupada para os brasileiros que ainda vão nascer.

Em algumas décadas, o uso do petróleo decairá, assim como declinará sua rentabilidade econômica; diante disso, não é justo que somente as gerações atuais se beneficiem da enorme riqueza gerada pela extração, transformação e comercialização do petróleo.

É por isso que, como regra, apenas os rendimentos do fundo sejam passíveis de internalização, de modo a que se mantenha em sua integridade a parte referente ao principal. No entanto, diante das dramáticas necessidades sociais das gerações atuais, seria um contrassenso impedir que, excepcionalmente, o principal do fundo seja introduzido em programas e projetos nas áreas já mencionadas.

Nossa comissão foi a primeira a concluir suas atividades. O sucesso que ela alcançou chama atenção para o fato de que o Legislativo tem, não somente seus defeitos, mas também suas virtudes. O acordo firmado pela base governista, oposição e presidente da Câmara, para garantir a definição do novo marco regulatório do petróleo ainda este ano, deverá ser mantido.

A celeridade da tramitação dos projetos não se confronta necessariamente com a qualidade dos textos aprovados. Caso o Congresso consiga em curto prazo aprovar os quatro projetos em consonância com o interesse nacional, todos nós brasileiros teremos muito o que comemorar, já que este momento tem tudo para marcar o início de uma era de prosperidade única na história do Brasil e do povo brasileiro.


Fonte:


fazer comentario comentários
imprimir
Compartilhe

 

Mais Artigos

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma

Vídeo

 

footer_down_01