*/
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Artigos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :13/10/2009

A evolução socioeconômica do Brasil e a pré-candidatura de Ciro Gomes

Neste artigo, Rollemberg fala abertamente sobre os dados que contribuíram para a "virada social" do Brasil e sobre o comprometimento de Ciro Gomes com o desenvolvimento nacional baseado na redução das desigualdades sociais

Entre 1998 e 2008, caiu de 32,4% para 22,6% o percentual de famílias vivendo com até meio salário mínimo per capita. Esse é um dos dados da Síntese de Indicadores Sociais, publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que representam um importante avanço do nosso país no combate à pobreza.

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), por sua vez, destacou: de 2003 a 2008, 31 milhões de brasileiros subiram de classe social, dentre os quais 19 milhões e 400 mil deixaram a classe E, ao mesmo tempo em que 1 milhão e 500 mil saíram da classe D, resultados combinados que determinaram uma redução de 43% no contingente da nossa população que compõe o grupo DE, ou seja, o dos mais pobres do país.

Já as estatísticas referentes ao mercado de trabalho indicam que, em 2008, o desemprego foi o menor em seis anos e que agosto de 2009 foi o melhor agosto em geração de empregos com carteira assinada, desde quando foi instituído o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em 1965. Assim, ao lado do impacto do Bolsa Família e dos aumentos reais do salário mínimo, o fortalecimento do mercado interno vem sendo puxado fortemente pela expansão do emprego.

Isso tudo é parte de uma "virada social” do Brasil. Ela foi prenunciada com a implantação, em 1994, do Plano Real, que deteve o processo de corrosão do poder de compra da maioria dos brasileiros, causado pela inflação. Mas a virada estancou, devido à timidez dos programas sociais dos governos FHC e ao baixo crescimento econômico do país àquela época. Ela foi retomada a partir de 2001, em função de uma taxa crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2000, de 4,53%; entretanto, foi mais uma vez frustrada, por do incremento medíocre do PIB em 2001 e 2002. 

Nos mandatos do presidente Lula, somente em 2003 o PIB foi especialmente decepcionante; nos outros anos, o sucesso no combate à pobreza tem sido garantido pelo vigor dos programas sociais do governo e por um crescimento econômico promissor, embora ainda não plenamente à altura do potencial do país.

É possível estabelecer uma certa correlação entre essa evolução socioeconômica e os pleitos presidenciais, nos últimos 15 anos: FHC foi eleito em 1994, principalmente porque sua imagem estava associada ao Plano Real; reelegeu-se pelo mesmo motivo em 1998; já em 2002 não conseguiu fazer seu sucessor, porque o balanço socioeconômico de seus oito anos de governo deixou muito a desejar; já Lula, que mantém uma performance socioeconômica bastante superior, conseguiu se reeleger e é, hoje, um dos presidentes mais populares da história do Brasil.

Esses dados ajudam a explicar a queda do oposicionista José Serra nas pesquisas de intenção de voto para 2010 e a solidez da posição de Ciro Gomes, sempre girando em torno da segunda colocação desde o início do ano passado, e agora em clara tendência de alta.

Ciro participou do Plano Real desde o começo; rompeu com o PSDB, em virtude das inclinações neoliberais desse partido, causa maior de nossa fraquíssima performance econômica na década passada; foi ministro do primeiro mandato de Lula e é defensor intransigente das realizações socioeconômicas deste governo, tendo sido talvez a primeira liderança nacional a defender que as políticas sociais atualmente em vigor sejam transformadas em políticas de Estado, menos vulneráveis, portanto, a uma eventual recaída neoliberal que venha atingir o Brasil no futuro.

Ao mesmo tempo, Ciro vem contagiando plateias com sua defesa de um projeto de desenvolvimento nacional baseado na redução das desigualdades sociais e regionais, nos investimentos em ciência, tecnologia e educação, na melhora de nossa pauta de exportações, que conta ainda hoje com uma presença relativamente pequena de produtos com alto valor agregado, e numa prática política mais caracterizada pelas alianças programáticas do que pelas barganhas fisiológicas.

Por tudo isso, a pré-candidatura de Ciro Gomes tem servido para expressar duas convicções profundamente arraigadas no nosso povo: a) não podemos recuar um milímetro em relação ao que já conquistamos; b) é preciso ir muito além.

Fonte:


fazer comentario comentários
imprimir
Compartilhe

 

Mais Artigos

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma

Vídeo

 

footer_down_01