*/
 
http://twitter.com/rollembergpsb http://www.facebook.com/pages/Rodrigo-Rollemberg/211341845581927 http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=3314995351568856873 http://www.youtube.com/rollembergpsb http://www.flickr.com/photos/rodrigorollemberg
 
Artigos
         
Tamanho do texto
Atualizado em :16/05/2014

Retrocessos do governo Dilma podem comprometer conquistas sociais e econômicas do Brasil

Para Rollemberg, o candidato à Presidência da República pelo PSB,  Eduardo Campos, está, de fato, comprometido com a defesa de uma nova forma de fazer política 

O senador Humberto Costa (PT-PE) escreveu um caudaloso texto para o UOL com o objetivo de apontar o suposto vazio do discurso político de Eduardo Campos, pré-candidato presidencial da aliança PSB/Rede/PPS/PPL. Segundo o ex-ministro da Saúde, Eduardo "vende um "novo Brasil" como se vivêssemos numa propaganda de TV".

Costa é verborrágico, mas não apresenta um único argumento que aponte para o suposto caráter publicitário da pré-candidatura de Eduardo. A "prova" seria a semelhança do discurso do ex-governador pernambucano com o de Barack Obama na campanha de 2008. Costa reproduz uma frase dita então pelo atual presidente americano. "[O povo] se levanta e insiste em novas ideias e nova liderança, uma nova política para um novo tempo."

O senador petista pergunta então ao leitor se ele acha que essas palavras são de Eduardo Campos. "Não", responde Costa, "elas foram ditas por Barack Obama em 2008, quando ele disputou pela primeira vez a Presidência dos Estados Unidos".

A hercúlea tarefa de desconstruir o adversário político faz o parlamentar pernambucano omitir deliberadamente aquilo que todo conterrâneo seu sabe e o Brasil começa a conhecer: Eduardo deixou o governo de Pernambuco com a maior taxa de aprovação entre seus pares de outros Estados.

Sua gestão, focada na superação das carências locais, foi reconhecida pela ONU como exemplar, e a sua disposição para compartilhar essa experiência com o Brasil permitiu o  encontro com a ex-ministra Marina Silva para se incorporar à pauta da sustentabilidade, de reconhecer que o desenvolvimento social e econômico do país exige também o cuidado com a preservação de seu patrimônio ambiental.

O pré-candidato do PSB à presidência não tem apenas o "discurso do novo". Eduardo está, de fato, comprometido com a defesa de uma nova forma de fazer política. Reconhece as conquistas econômicas e sociais obtidas durante os governos do PSDB e do PT, mas acredita que não é possível governar o país distribuindo pedaços do Estado.

Sabe que as políticas públicas não podem ser concebidas e executadas apenas para a perpetuação de um grupo no poder. Conhece os riscos criados por uma lógica de governança puramente eleitoreira.

As consequências do fisiologismo hoje em vigor estão à vista de todos. É uma política que compromete o futuro de empresas como a Petrobras e a Eletrobrás, coloca em risco a estabilidade fiscal do país e estimula a inflação. Alta de preços que ameaça a renda do trabalhador.

Nenhuma das pré-candidaturas até agora colocadas tem a densidade política da aliança criada em torno de Eduardo Campos. Desde o anúncio da aliança entre o Partido Socialista Brasileiro e a Rede Sustentabilidade, os principais esforços acontecem na discussão do futuro programa de governo. Foi criada uma plataforma aberta a todos os eleitores, que abriga sugestões dos mais variados setores de nossa sociedade.

Já foram realizados quatro grandes encontros regionais para discutir as diretrizes programáticas. E há duas semanas começaram a ser realizadas oficinas sobre temas específicos, como políticas econômica e energética, reunindo alguns dos mais renomados estudiosos brasileiros. Há outra pré-candidatura comprometida a esse ponto com a construção de uma agenda estratégica para o Brasil?

De fato, ao contrário do que afirma o senador, o partido que se especializou em esvaziar o discurso político em favor da lógica publicitária foi o PT.

Discurso

Voltemos à frase de Obama. "uma nova política para um novo tempo". O eleitor paulistano sabe bem quem copiou quem. "O homem novo para um tempo novo" foi o mote usado pelo publicitário João Santana para vender a candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo. O mesmo Santana que fez as últimas campanhas de Lula e hoje se dedica à tortuosa tarefa de convencer o eleitor brasileiro das excelências do governo Dilma.

O governo "revolucionário" de Costa tem, na verdade, a marca do retrocesso. Na economia, abandonou os fundamentos da estabilidade e provocou a desindustrialização. Na política, estimulou o fisiologismo e o patrimonialismo. Na energia, deixa o país com o risco do racionamento à porta. Na questão ambiental, as taxas de desmatamento se ampliaram. Na segurança pública, o medo domina a vida das pessoas. Na infraestrutura, as péssimas estradas e os portos ineficientes provocam perdas para nossos exportadores.

Novamente pela "criatividade" de João Santana, a "revolução silenciosa" do petista agora ganhou sua vertente do terror, presente nos processos políticos discricionários. Em vez de se expor ao debate sobre os desafios do Brasil, o PT usa a publicidade partidária para ameaçar o eleitor com "fantasmas" que só estão no imaginário de quem teme a alternância democrática na condução do país.

Nesse cenário, dá para entender porque 74% dos eleitores brasileiros querem mudanças. Infelizmente, para o senador Humberto Costa, todos devem ser uns frouxos.
 
Artigo publicado em 16/05/2014 no Portal UOL

Fonte:


fazer comentario comentários
imprimir
Compartilhe

 

Mais Artigos

 
   Últimas Notícias
Cidadania
Rollemberg cobra nomeação de aprovados em concurso do Senado
Pesquisas
Rollemberg comenta pesquisa que aponta insatisfação dos brasileiros com questões básicas
Distrito Federal
Ministério Público e pesquisadores defendem manutenção da área da Embrapa Cerrados
Cidadania
Senado debate ameaça de retirada da Embrapa Cerrados
Política
PSB e Rede apresentam diretrizes de programa de governo para o DF
Ciência e Tecnologia
Embrapa inaugura Banco Genético e comemora os 41 anos da empresa
Política
Elogios a decisão do STF sobre CPI exclusiva para Petrobras
Distrito Federal
Rollemberg lembra aniversário de Brasília e prega o fim da desigualdade no DF
Política
Oposição indica servidor do Senado para vaga de ministro do TCU
Cidadania
Rollemberg: Datafolha revela declínio econômico resultante dos erros de Dilma

Vídeo

 

footer_down_01